Meu filho de 14 anos me disse recentemente que gostaria de ter privacidade e não quer mais que eu monitore suas mensagens de texto, Instagram e emails. E agora?

30/09/2015 10:23

Sua questão reflete um dos maiores desafios com que os responsáveis por adolescentes se deparam: encontrar maneiras de conceder liberdades conforme o adolescente assuma as devidas responsabilidades para tal.
Indivíduos de 14 anos ainda não possuem habilidade cognitiva para compreender o conceito amplo de privacidade- ao menos não como um adulto. A adolescência é uma fase de busca de identidade e autonomia, na qual o adolescente busca se definir à parte dos pais. Essa busca por independência associada ao fato de os adolescentes atualmente costumarem estar mais familiarizados que os pais com mundo digital, comumente gera uma angústia nos responsáveis sobre como cumprir seu papel, e muitos acabam preferindo não se envolver nas atividades online dos filhos. Entretanto, o envolvimento dos pais online deve ocorrer da mesma forma que offline. 
Da mesma forma que não você não deixaria seu filho frequentar locais desconhecidos, sem saber a quais influências eles será exposto, não deve deixá-lo vagar online ou em redes sociais sem saber o conteúdo do que está vendo ou como se comporta nesses “ambientes”. 
Seu filho não gostará de continuar sendo monitorado, mas explique a ele que, conforme ele for demonstrando capacidade de agir responsavelmente online, manter um diálogo aberto sobre o que se passa no ambiente virtual e evitar atividades ou comportamentos potencialmente perigosos, você irá monitorá-lo cada vez menos. 
Até lá, a noção de que suas mensagens, Instagram, Facebook ou email estão sendo vigiados, fará com que ele se comporte da forma esperada até que esta se torne hábito, além de deixar a porta aberta para conversas sobre o que se passa nesses ambientes. 
Resumindo: o privilégio da privacidade deve ser obtido conforme ele demostrar responsabilidade para tal. 

- Traduzido por Emmalie Ting e adaptado da postagem de Michael Rich do CMCH de 27/agosto/2014 
Fonte : http://www.cmch.tv/

Voltar